O Movimento Urbano é uma ferramenta, uma estratégia de evangelismo que utiliza teatro, música, pantomimas, mensagem ilustrada, street Dance, Skate, grafite e artes em geral para de uma forma contextualizada, levar a mensagem do evangelho às pessoas que não vão à “igreja”.

No Movimento Urbano encenamos fatos da vida, abordando a necessidade de Deus presente em cada ser-humano, focando sempre nos valores do reino de Deus. (I Co 09:21 a 23)
O propósito do Movimento Urbano é alcançar as pessoas onde elas estiverem e dizer a elas que Deus as ama e que enviou uma carta de amor ao mundo através de Jesus.(João 3:16)

Tenho o hábito da leitura e estou lendo um livro meio que à prestação, alguns livros são tão bons que os leio como alguém que saboreia uma sobremesa deliciosa no desejo de que ela nunca se acabe; o livro se chama: “Uma Orthodoxia Generosa”  de Brian McLaren, um livro que recomendo a quem quer expandir sua ortodoxia. No capítulo 14 lí algo muito interessante, o titúlo é ; “Porque sou Metodista” e a seguir passo a transcrever parte do capítulo 14, que fala sobre algo interessante, para mim o primeiro Movimento Urbano feito, digamos assim, leia o texto:

Porque Sou Metodista
(Extraído do livro de Brian McLaren “Uma ortodoxia Generosa”)

“Que grande história os Metodistas tem para contar de sí mesmos!

Em 1739 o sacerdote Anglicano  George Whitefield (1714-1770)  convidou os sacerdotes anglicanos para se juntarem a ele na pregação de um evangelho evangelical (veja capítulo 6) onde ele fosse mais necessário  (e aceito): não a partir dos púlpitos de uma igreja cada vez mais complacente e acomodada, mas nas ruas e campos, onde quer que estivessem pessoas sujas e sem igrejas. Os irmãos Wesley se Uniram a Whitefield , George and John oferencendo a pregação e Charles a música. Música que o cidadão comum poderia relacionar à canções pé no chão , letras em Inglês simples, porém bonito, com boa melodia e uma batida interessante, canções com sentimento, mas como músicas que eles cantavam no pub à noite, e não a música chata , acompanhada pelo orgão das catedrais. Mesmo depois que Whitefield partiu para a América do Norte, milhares de pessoas vinha ouvir John e Charles.

As pessoas respondiam poderosamente  com lágrimas, tremores, gemidos e risadas estridentes.
Um repórter que descreveu a cena fora da mina de carvão onde os mineiros paravam no caminho de casa depois de um dia de trabalho estafante, mal pago, danoso às costas e prejudicial aos pulmões. Os mineiros talvez planejassem aliviar seus músculos dolorídos e corações oprimidos com bebidas fortes, que provavelmente os levasse a espancar suas esposas e a outros gestos igualmente lamentáveis. A voz forte de John Wesley atraia seus ouvidos; “
Aquele homem tinha paixão e compaixão!”, era o comentário geral, Eles paravam e escultavam alguém que não desprezava os por causa do seu comportamento reprovavel.
A multidão aumentava – homens imundos, esgotados, com o rosto negro por causa do pó de carvão. Wesley falava de um Deus que os amava e queria ajudá-los  mesmo que se embebedassem, mesmo que jogassem, mesmo que maltratassem suas esposas e filhos. O repórter notou trilhas pálidas e límpidas se formavam nos rostos cobertos  de pó negro daqueles homens rudes, trilhas formadas por lágrimas de arrependimento e fé.
E ele não parou (como muitos dos avivamentos) contemporâneos param) na experiência emocional ( seguida de um pedido de oferta).  Os Wesley organizaram esses homens em grupos – pequenos chamados de bandos, maiores chamados de classe e ainda maiores chamados de sociedades. Nesses grupos , os homens , e logo suas mulheres, vizinhos e amigos se juntaram para se ajudar mutúamente  a experimentar uma transformação. Em semanas , meses, anos haviam milhares  de pessoas cujas vidas haviam sido transformadas.”

Depois que lí esta parte fiquei grato a Deus porque sempre que vem algumas idéias na minha mente com relação a métodos de evangelismo ou qualquer outro tema eu começo a analisar a idéia, pesquisar na palavra algum respaldo bíblico para o que pretendo fazer e até mesmo para confirmar se a idéia veio de Deus ou não. Acima você pode ler o que se passou em 1739  na Inglaterra, no meu modo de ver um movimento urbano, ainda que eles nào tivessem dado nenhum nome para o evento, pelo menos não narra no livro ou em qualquer outro lugar que pesquisei. Fiquei feliz com Deus e recebí como um ok para realizar o movimento urbano ainda que tenho encontrado algumas objeções.

Abaixo  um texto que faz uma análise dos metodos e sua eficácia para que voce possa entender mais um pouco sobre o Movimento Urbano, leia este texto a seguir:

A lição da mosca

Certa vez, duas moscas caíram num copo de leite. A primeira era forte e
valente e logo nadou até a borda do copo. Mas, como a superfície era muito
lisa e suas asas estavam molhadas, não conseguiu escapar.
Acreditando que não havia saída, desanimou, parou de se debater e afundou.
Sua companheira, apesar de não ser tão forte, era tenaz; por isso continuou
a se debater e a lutar. Aos poucos, com tanta agitação, o leite ao seu redor
formou um pequeno nódulo de manteiga, onde ela subiu e conseguiu levantar
vôo para longe.

Tempos depois, a mosca tenaz, por um descuido, caiu novamente em um copo,
desta vez cheio de água. Imaginando que já conhecia a solução para aquele
problema, começou a se debater na esperança de que, no devido tempo, se
salvasse. Outra mosca, passando por ali e vendo a aflição da outra, pousou
na beira do copo e gritou:
“Tem um canudo ali, nade até lá e suba.”
A mosca tenaz respondeu:
“Pode deixar que eu sei como resolver esse problema.”
E continuou se debatendo, mais e mais, até que, exausta, afundou na água.

Moral da história:

Soluções do passado, em contextos diferentes, podem se
transformar em problemas. Quantas vezes, baseados em experiências
anteriores, deixamos de observar as mudanças ao nosso redor e ficamos
lutando inutilmente até afundar em nossa própria falta de visão? Criamos uma
confiança equivocada e perdemos a oportunidade de repensar nossas
experiências.  Ficamos presos a velhos hábitos que nos levaram ao sucesso e perdemos a
oportunidade de evoluir… Os donos do futuro sabem reconhecer essas
transformações e fazer as mudanças necessárias para acompanhar a nova
situação.

Fonte: Roberto Shinyashiki, no livro “Os Donos do Futuro”

Assim é o Movimento Urbano, uma ferramenta de evangelismo contextualizada com o nosso tempo.
Caso tenha alguma dúvida sobre esta ferramenta de evangelismo entre em contato conosco.

Pr.Carlos Rizzon

 

 

 

 

10 Comments

  1. Identificação
    Olá amigos meu nome e freitas, sou de sp, vou falar um pouco pra explicar…me converti a 2 anos, era do do maior site de hiphop do Brasil real hiphop, e fui coord. da cufa em sp. dai de ambos montei um site e projetos novos http://www.radarurbano.com.br e gospelhiphop.com.br e ao ver vcs vi exatamente o que quero fazer por aki, essa evangelização urbana, jáq temos este trabalho com skate, hiphop, basquete de rua…
    enfim queria trocar figurinhas com vcs…aprender com a experiencia de vcs…

    aguardo um contato.
    abs
    Adriano de freitas
    http://www.gospelhiphop.com.br e http://www.radarurbano.com.br

  2. Olá Freitas para nós será um prazer poder lhe servir, fique a vontade para perguntar ou mesmo dialogar conosco por aqui mesmo.
    Estarei lhe enviando um email para que você tenha meu contato.
    Fique na paz.
    Pr. Carlos Rizzon

  3. Caros, não sejamos tolos. Agindo assim, aplicamos um tremendo reducionismo à bíblia. O Cristianismo verdadeiro não se apóia em estratégias mas em obediência à Palavra. Não se trata então de renovar e nem de regredir, mas sim de cumprir o ministério de Cristo, segundo a única fé certa vez dada aos santos. Estudemos atentamente o livro de Judas.
    Obrigado pelo espaço!

  4. Olá Fernando obrigado pelo seu comentário e sinceramente não me enquadro na descrição de tolo, pois “Não é tolo aquele que larga algo que não pode segurar para pegar firme aquilo que ele não pode perder”, caso eu tenha que ser chamado de tolo por querer ganhar pessoas para o Reino de Deus, que assim seja. Reducionismo é o nome dado a teorias correlatas que afirmam, grosso modo, que objetos, fenômenos, teorias e significados complexos pode ser sempre reduzidos, a fim de explicá-los, a suas partes constituintes mais simples. Reducionismo é “nós” evangélicos oferecermos orações fortes, banho de descarrego, vale do sal e etc reducionismo é eu fazer no momento de ofertório aquela barganha com Deus que vemos por ai “Irmão traga o seu melhor no altar do Senhor” manipulando-os por medo do devorador ou dando-lhes o nome de ladrão para os motivar, ou “Dê e Deus te devolverá…”. Reducionismo é: Eu pregar que o prédio, local de reunião é a casa de Deus gerando assim uma ambiguidade existêncial, vivendo uma vida na “igreja” e outra fora da “igreja”, reducionismo é o que alguns tem feito com mensagem do evangelho, apresentando uma solução terrena e temporal, ou o que eu chamo de teologia do Gil gomes “Aqui, agora!” isto sim é reducionismo, reducionismo é vender a idéia de causa e efeito para os irmãos, ou seja, quanto mais faço, mais Deus se agrada de mim. Vemos na própria Bíblia que é a nossa regra de fé e prática, homens que se posicionaram de forma não convencional na intenção de ganhar pessoas para o reino de Deus, o próprio Jesus agiu desta forma, escolheu doze pessoas, cada uma mais complicada que a outra, odiados entre o povo para começar o seu ministério que dá frutos até hoje, aliás o Cristianismo de hoje certamente se escandalizaria de ver Jesus, o Filho de Deus no meio de comilões, beberrões e prostitutas não é mesmo? Paulo na sua primeira carta aos Corintios capítulo 09 do verso 19 ao 23 nos dá este exemplo de dedicação em prol do evangelho. Paulo em seu amor pelas almas (e pelas pessoas) ele estava disposto a assumir qualquer forma que não ofendesse a sua fé, que fosse de perfeita integridade, abrindo mão de sua própria vontade, da sua maneira de fazer as coisas, abrindo mão de seu prazer e de qualquer lucro para segundo ele salvar a alma de todos. Não sei se o irmão leu o texto todo mas este texto de Paulo retrata bem a nossa motivação que é ganhar almas (e pessoas) para o reino de Deus. Assim é o Movimento Urbano, uma ferramenta de evangelismo contextualizada com o nosso tempo. Como diz a parte B do verso 22 e todo o verso 23 da 1 Carta de Paulo aos CorÍntios: “Fiz-me tudo para todos, para por todos os meios chegar a salvar alguns. Ora, tudo faço por causa do evangelho, para dele tornar-me co-participante.”
    Mais uma vez obrigado pelo comentário.
    Estudemos atentamente o livro de Gálatas.
    Abraços,
    Carlos Rizzon

  5. A cada visita a esse site, entendo melhor o cristianismo e o servir a Cristo, esses textos tem me ajudado muito, Gloria a Deus por essa iniciativa!!

  6. Evandro obrigado por suas palavras e com certeza ficamos felizes por estarmos sendo úteis no seu crescimento espiritual.
    Continue orando por nós,
    Abraços,
    Pr. Carlos Rizzon

  7. Concordo na integra com vc Carlos. Igreja Urbana é exatamente o oposto de reducionismo. É ampliar, é conquistar. A maior oferta que podemos dar ao SENHOR, não é qualquer item material, seja ela de qualquer valor. Jesus nao morreu pra que eu fosse bem sucedido, ou pra que nós como igreja fossemos “prosperos”. Isso é uma vontade que nos pertence e DEUS nos da força e graça pra lutarmos e conquistarmos nossos bens. Jesus morreu pra salvar GENTE. A maior oferta que podemos dar a DEUS, é GENTE. Não entendo como tolice, oferecer oportunidades criativas, para que os varios grupos e “tribos” conheçam JESUS atraves de nossas vidas. Uma breve nota: Certa vez, estava fazendo rapel junto ao meu grupo, nenhum deles cristao, qdo chegou um outro grupo, q eu nao me lembro do nome. Apos alguns instantes, percebi q aquele outro grupo ficava afastado conversando baixinho e me olhava meio q ensaiando um sorriso, porem nao esboçava nenhuma simpatia aos meus colegas de grupo. Até q um deles, se aproximou de mim em frente a todos e disse: ” – Amigo, li a sua tatuagem (Tudo posso nAquele que me fortalece .. fp4:13), vc é “evangelico”?” eu respondi que sim, sorrindo… sou cristão… e ele disse : ” – Paz do Senhor…. tb sou.. qual sua igreja?” … Amigos…e entao… qual e a nossa igreja? … foi uma pergunta q me fez pensar por alguns segundos… ate q eu respondi olhano ele nos olhos… ” – Minha igreja é esta q vc ta vendo… esse grupo de rapel… minha igreja é aqui” … Todos nos somos iguais… aqueles q vc conhece q ainda nao conhecem JESUS, são ofertas a DEUS em potencial … não devemos limitar a ação do Espirito a quatro paredes,nem a qualquer outra coisa. A bilbia e pra nos mostrar ate onde devemos ir… e nao pra mostrar ate onde o poder de DEUS pode ir… nao existem limites pro SENHOR… ele é absoluto…

    PS… os meus amigos do rapel estão comigo…no ministerio… outros estao frequentando nossa celula… e estamos orando juntos pela vida dos que ainda nao vieram…rssr… somos igreja..

    bjoO…

  8. ahhh Carlao… a celula cara… tamo voltando com ela.. aki no estudio novo… adotamos esse formato de igreja urbana… toda segunda… saudade de ter vc conosco… sempre lembramos de vcs em oração e amamos mto vcs… bjO

  9. Camilo com certeza as pessoas afirmam coisas que não sabem. Mas assino embaixo o que você escreveu, o mundo aguarda ver sinais do reino de Deus em nossas vidas. Que Deus nos dê sabedoria e discernimento a cada dia para poder refletir a glória dEle.
    Pr. Carlos Rizzon

  10. Cara que notícia boa! Ganhei o dia com esta notícia, estou aqui apesar da distância e tenho muito material, caso queiram me fale que mando por email. Apesar de os conhecer há pouco tempo também aprendemos a amar vocês, Abraços!

    Pr. Carlos Rizzon, seu conservo nesta caminhada.


Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

9 − oito =